Quanta insegurança, quantas incertezas, quantos caminhos a se seguir. Me perdi, diante de tantas dúvidas, me perdi tentando encontrar o amor. E depois de algum tempo achei que havia o encontrado, ou se cheguei a amar, o reencontrado. Não, estava errada, ou estou errada? No meu peito, uma dor, um sufoco que teima em incomodar de vezenquando, tentando me acordar pra realidade de que está desgastado. Talvez tivesse começado já um pouco desgastado ou sendo empurrado com a barriga. Mas e se decidirmos continuar mesmo assim? Ser infelizes para sermos felizes, simplesmente por não estarmos separados?

Escrevi diversas vezes sobre você, sobre o amor que eu sentia, mas onde foi parar esse amor? Será que ele continua aqui, ou tenha voltado ao passado?  Esse tal passado que me assombra e não me permite ser feliz se não for na companhia dele.

Vou considerar isso como um “eu ainda te amo” / “estou tentando continuar a te amar”, por passar tanto tempo tentando que isso dê certo, dando o melhor de mim. Sei que você também sabe do desgaste, mas preço que tente consertá-lo junto comigo.

Tenho medo da mudança, que você suma completamente da minha vida. Pois uma vez, ao dar essa mudança me disseram que iríamos continuar a sermos amigos, mas hoje não somos nada, nem um “oi” e não quero que seja assim com você. Não precisa ser assim.
Pois como diz Chico Buarque: “E pela minha lei a gente era obrigado a ser feliz.”
Pois é,deveríamos estar felizes.

                                                                              Karol Ribeiro ;*

1 comentários:

Arianne Carla disse...

Às vezes tende-nos a se perder nesses caminhos estrondosos e abrangentes da vida. Cabe a nós acharmos o caminho correto ou desfrutante de nós.

Postar um comentário